Viseu: Câmara quer alternativas ao sistema de abastecimento de água. Nova barragem pode não avançar

O presidente da Câmara de Viseu disse esta quinta-feira (23 de dezembro) que está em estudo uma alternativa ao sistema de abastecimento de água, a cargo da Águas de Viseu, e que, assim, poderá não ser necessária uma nova barragem em Fagilde.
“É muito simples. Agora temos uma série de sistemas que nos podem servir e vamos analisar qual é o melhor para nós, o mais rápido, e, sobretudo, o que tem menos impacto no custo da água para os consumidores”, sintetizou Fernando Ruas.
Em declarações aos jornalistas, no final da reunião pública do executivo municipal, o presidente da autarquia referiu que tem havido “reuniões com municípios e com vários sistemas” de abastecimento de água, tendo em conta que, atualmente, “existem alguns a chegarem perto” da região.
“Se a maioria dos municípios portugueses já estão no âmbito das Águas de Portugal, em princípio há que analisar e ver se estes sistemas também nos servem. Não podemos ser uma exceção de arranjarmos um sistema, eventualmente, fora desta situação, com todas as vantagens que isso inclui”, justificou.
Neste sentido, Fernando Ruas descartou a empresa Águas de Viseu, cujo protocolo para a sua constituição foi assinado, na presença do ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, em 13 de julho de 2019, pelo anterior executivo social-democrata de Almeida Henriques.
Além de Viseu, assinaram também os restantes quatro municípios do distrito - Mangualde (PS), Nelas (PS, agora PSD), Penalva do Castelo (PS) e Sátão (PSD) - que são abastecidos pela Barragem de Fagilde, no Rio Dão.
“A Águas de Viseu fica sem efeito se a opção for a de integrar as Águas de Portugal, num sistema já existente. Na minha perspetiva, não precisamos de constituir uma empresa e faremos como outras cidades da nossa dimensão têm feito”, assumiu, dando como exemplo a Guarda e Vila Real.

 

 

 


Publicidade

 

 


2021-12-23 17:03:19
Autor: Irene Ferreira

Outras Notícias


Local

Viseu: um homem detido por crime de incêndio florestal depois de realizar queimadas

Pelo crime de incêndio florestal, um homem de 59 anos foi detido, pela GNR, no concelho de Viseu. 
No âmbito de diligências de investigação devido a várias queimadas descontroladas em dois terrenos, os militares apuraram as causas e o responsável pelo incêndio florestal, tendo constatado que o homem havia realizado quatro queimadas, sem as medidas de segurança necessárias e sem efetuar a necessária comunicação prévia ao município.
Segundo a GNR, as queimadas ficaram descontroladas, ao ponto do incêndio se propagar para outros terrenos, fazendo arder mais de 200 m2 de mato e pinhal.
O homem foi constituído arguido, e os factos remetidos ao Tribunal Judicial de Viseu.

A GNR relembra que:
As queimas e queimadas são das principais causas de incêndios em Portugal;
Em qualquer altura do ano é proibido queimar matos cortados e amontoados e qualquer tipo de sobrantes de exploração florestal ou agrícola bem como efetuar queimadas sem pedir autorização ou fazer comunicação prévia;
Para evitar acidentes siga as regras de segurança, esteja sempre acompanhado e leve consigo o telemóvel.

Para o efeito, poderá ser utilizada a Linha SOS Ambiente e Território (808 200 520) funcionando em permanência para a denúncia de infrações ou esclarecimento de dúvidas.

Local

Viseu: incêndio numa barraca desaloja cinco pessoas

Um incêndio numa barraca deixou, esta segunda-feira (24 de janeiro), desalojada uma família de cinco pessoas em Repeses, no concelho de Viseu.
Segundo o adjunto do comando dos Bombeiros Sapadores de Viseu, Rui Poceiro, "quando a primeira viatura chegou ao local, a barraca, feita em madeira e chapas de zinco, estava totalmente tomada pelas chamas".
Os desalojados são uma mulher e um homem, de 31 e 32 anos, e os três filhos, de 08, 13 e 14 anos.
Em redor da barraca havia "mais duas ou três de familiares" que não arderam.
O casal disse aos bombeiros que o incêndio terá começado "numa salamandra rudimentar alimentada a lenha que servia para aquecimento e de fogão e que estava a funcionar na altura", acrescentou.
Rui Poceiro referiu que, quando ainda se encontrava no local, contactou a ação social do município, que está a analisar as necessidades da família.
As chamas foram combatidas por dez operacionais e cinco viaturas dos bombeiros sapadores e voluntários de Viseu.

Local

Mangualde: Bombeiros Voluntários receberam, em 2021, mais de 9.750 alertas

Os Bombeiros Voluntários de Mangualde receberam em 2021 um total de 9.753 alertas. O número foi divulgado pela instituição que no ano passado transportou 15.765 doentes, dos quais 6019 foram doentes não urgentes. 
Ao longo do ano, os bombeiros de Mangualde percorreram 459.568 quilómetros e prestaram assistência em saúde/doença a 1766 pessoas.
Em 2021, os voluntários mangualdenses fizeram assistência em saúde de trabalho de parto por sete vezes.
No que diz respeito a incêndios urbanos ou em área urbana, os bombeiros de Mangualde acorreram a 17 situações, a 30 incêndios em mato/rural e fizeram 20 abastecimentos de água.
Ao longo do ano passado registaram a queda de 20 árvores e foram chamados para 41 despistes de viaturas e 33 colisões rodoviárias.

Local

Tempo frio e seco é para continuar na região de Viseu (com áudio)

O tempo frio e seco vai manter-se ao longo desta semana na região de Viseu.
A previsão é da meteorologista Patrícia Marques que alerta para a formação de geada.

Local

Misericórdia de Lamego promove novo projeto social na Quinta de Santo António

A Santa Casa da Misericórdia de Lamego e a Obra Kolping de Portugal vão atuar junto dos moradores do Bairro Social da Quinta de Santo António com o objetivo de fomentar as relações entre si e a comunidade local e promover a qualidade de vida dos residentes e incentivar a sua integração social.
Aprovado no âmbito do programa nacional “Bairros Saudáveis”, o projeto social estende-se até ao próximo verão, com a parceria da Câmara Municipal de Lamego, da Junta de Freguesia de Lamego e da delegação local da Cruz Vermelha Portuguesa.
O programa “Bairros Saudáveis” é uma iniciativa do Governo destinado a financiar projetos de intervenção local em zonas desfavorecidas.
Em Lamego, o projeto “CASA – Juntos construímos a nossa Casa!” trabalhará três eixos fundamentais: social, ambiental e urbanístico. Neste sentido, serão promovidas, por exemplo, ações de apoio ao estudo e ao desenvolvimento de competências pessoais, sociais e profissionais. A juntar a isto, os residentes vão participar em iniciativas de valorização da sua identidade cultural, através da realização por exemplo de workshops e ateliês temáticos. O projeto também prevê, em breve, a reabilitação e a valorização dos espaços comuns do Bairro da Quinta de Santo António de forma a torná-lo mais aprazível para quem lá vive.
As entidades coordenadoras – Santa Casa e Obra Kolping – vão implementar ainda ações de educação ambiental de modo a alertar as famílias para este problema global. Nos próximos meses, os moradores aprenderão, por exemplo, a reciclar corretamente os seus resíduos.

Política

Viseu: CDU esteve junto de crianças e pais para realçar direitos

A CDU escolheu o parque de Santiago, em Viseu, para dar destaque aos direitos das crianças e dos pais. "O peso das creches nos orçamentos familiares, os baixos salários, a desregulação dos horários e a precariedade laboral levaram (e levam) a que muitas famílias não tenham os filhos que desejam - ou que não os tivessem tido de todo. Ter filhos não pode ser visto como um capricho, mas sim como um direito e até como um factor de desenvolvimento nacional", refere a coligação.
Durante a manhã de domingo (23 de janerio), crianças e pais foram convidados a participar em jogos tradicionais como o lencinho e a corrida de sacos ou de pneus, entre muitos outros.
"Foi uma oportunidade para divulgar as propostas CDU para o distrito e que passam nomeadamente por criar uma rede pública e gratuita de creches para todas as crianças, aumentar o abono de família e pré-natal e garantindo a sua universalização", refere acrescentando que propõe ainda "o desenvolvimento de mecanismos de incentivo à natalidade e incrementar o apoio à maternidade e paternidade".
Em complemento a estas medidas a CDU defende a criação de um programa de incentivos à fixação de jovens no distrito, com apoios extraordinários, bem como a promoção do emprego com direitos como medidas imprescindíveis à promoção dos direitos da juventude e à garantia dos direitos das crianças e dos pais.